“ZELADORES DE VIZINHANÇA” QUEREM PRESERVAR O BELVEDERE

Luiz Fernando e Ellin de Queiroz: serviço comunitário gratuito

Luiz Fernando e Ellin de Queiroz: serviço comunitário gratuito

O Belvedere que deveria abrigar a Academia Paranaense de Letras (APL), um belo exemplar de arquitetura ‘art nouveau’, pode demorar muito para ser recuperado.

Dado em comodato à APL pelo Estado, localizado na Praça João Cândido, o imóvel deverá ser reconstruído pela Prefeitura. Quando? Não se sabe.

O que se sabe é que os salvados do incêndio lá permanecem, expostos à nossa tristeza, boa mostra do quanto se ‘cuida’ de uma obra cultural histórica nesta cidade.

ZELADORES DE GRAÇA

Ontem, quarta, 13, o advogado, empresário e editor Luiz Fernando de Queiroz apresentou uma proposta a Ernani Buchmann, presidente da APL, que pode ser vital para o atual momento do belvedere, e perdurar depois de sua restauração. Ele ofereceu a presença e ação dos chamados Zeladores de Vizinhanças no belvedere.

Os Zeladores são parte de um programa de apoio comunitário criador e mantido pela Associação de Condomínios Garantidos do Brasil (ACGB).

Eles poderão ficar de “plantão” no imóvel para, quando acionados, promover aquilo que os identifica – despichação e zeladoria de bens públicos e privados.

Os zeladores fazem trabalho absolutamente gratuito, refletindo o espírito comunitário de seus dirigentes, gente como Luiz Fernando de Queiroz e sua esposa, Ellin.

ALPINISTAS

A sugestão dada por Luiz Fernando Queiroz à APL embute a experiência de 20 anos dos Zeladores. O pessoal é empregado com Carteira assinada. São remunerados pela ACGB, prestam serviços gratuitos, mediante solicitação. Custo é assumido pela associação. O total de zeladores de vizinhança é de 14 pessoas. Eles se dividem entre calceteiros, alpinistas urbanos (despichação de prédios) e zeladores de limpeza (limpam praças, parques, ruas).

PARA SETOR HISTÓRICO & INADIMPLÊNCIA

A proposta que Luiz Fernando de Queiroz, aparentemente irrecusável, vai mais adiante: os zeladores de vizinhança poderão estender seu trabalho de despichação e limpeza a todo o Setor Histórico de Curitiba.

Proposta que o presidente da APL deverá encaminhar ao prefeito de Curitiba que, por sinal, é membro da Academia, embora raramente tenha participado de suas reuniões. E estivesse, até ano passado, em atraso com a tesouraria da APL, conforme a coluna noticiou em 2016.

Belvedere da APL: depois do incêndio (Foto Marco Charneski/Tribuna do Paraná)

Belvedere da APL: depois do incêndio (Foto Marco Charneski/Tribuna do Paraná)

Setor Histórico de Curitiba: apoio de zeladores (Foto Hugo Harada/Gazeta do Povo)

Setor Histórico de Curitiba: apoio de zeladores (Foto Hugo Harada/Gazeta do Povo)