DANUZA LEÃO ATACA O PURITANISMO DE HOLLYWOOD

Paquera explícita

Paquera explícita

Enfim uma voz dissonante para balançar as estruturas dos moralistas de plantão – à esquerda e à direita. Se não estão pregando a censura a museus – como se fossem eles locais de circulação pública – estão impondo uma burca às mulheres e protegendo-as desses machos vorazes só interessados em sexo. Ora, ora. Estamos no limite da castidade. A conjunção carnal, antes uma recreação exclusiva da espécie humana – ainda que os macacos bonobos possam contestar a afirmação – está a um passo de ser condicionada à reprodução.

BAIXANDO O TACAPE

Danuza Leão: os pintos nos “i”

Danuza Leão: os pintos nos “i”

A escritora e colunista Danuza Leão parece saber disso. Na quarta-feira (10), em entrevista ao jornal “O Globo”, baixou o tacape nas “assediadas de Hollywood”, especialmente na cerimônia do Globo de Ouro, cujo tom monocórdio das mulheres conspurcadas remete às origens puritanas do navio Mayflower.

No dia 9, a imprensa internacional deu a conhecer as primeiras vozes de peso discordantes dessa onda que criminaliza qualquer “gesto suspeito”, como o de tocar na perna de uma mulher. Um manifesto assinado pela insubstituível Catherine Deneuve e mais 100 mulheres, artistas, intelectuais, acadêmicas, jornalistas, abriu a temporada de combate à onda de exagerado combate a qualquer aproximação masculina.

Leia o depoimento de Danuza ao GLOBO:

“TODA MULHER DEVERIA SER ASSEDIADA”

“O que não está claro para mim é o conceito de assédio. É uma paquera?

Avanços sexuais entre homens e mulheres começam sempre de um lado. Às vezes, o outro lado não quer, e isso é normal. Como definir?

“FUNERAL”

“Espero que essa moda de denúncia contra assédio sexual não chegue ao Brasil. O que aconteceu no Globo de Ouro me pareceu um grande funeral.

Apesar dos vestidos lindíssimos, acho que aquelas mulheres (que foram à cerimônia de preto) foram muito pouco paqueradas e voltaram sozinhas para casa.

“COISA DE AMERICANO”

“Não acho que as denúncias de assédio possam gerar uma ‘caça às bruxas’

porque são uma coisa ridícula, para começo de história. É doloroso saber que uma mulher pode fazer uma acusação e tirar o emprego de um homem. É algo pecaminoso. Mas isso é coisa de americano. Lá eles não têm noção de sexo. É ótimo passar em frente a uma obra e receber um elogio. Sou desse tempo. Acho que toda mulher deveria ser assediada pelo menos três vezes por semana para ser feliz. Viva os homens.”

CANTADAS DE PEDREIRO

As feministas, com certeza, principalmente aquelas que vociferam nas redes sociais com odiosa regularidade, hão de protestar, principalmente por causa do trecho em que Danuza elogia as “cantadas de pedreiro” – que aliás deveriam ser declaradas um patrimônio imaterial da humanidade.

Catherine Deneuve: inconformismo francês

Catherine Deneuve: inconformismo francês

SÃO DIFERENTES

O que a colunista quer dizer é que mulheres são diferentes de homens, não só pelo óbvio anatômico, mas porque têm o poder de sedução e o “copyright” da escolha do parceiro. São elas quem, acima de tudo, garantem a preservação da espécie. O conceito é esse aí mesmo.

Darwiniano.

BARBÁRIE

Afora isso, assédio é crime e estupro é crime. Já está incluso no Código Penal da maioria dos países civilizados. Danuza está certa. Quando se adotam extremos flerta-se com a barbárie.