“EU QUERO ACREDITAR NO MUNDO REAL”

Outdoor instigante, amplas realidades

Outdoor instigante, amplas realidades

Uma empresa de outdoors está lançando uma pesquisa inusitada em Curitiba. Em cartazes espalhados pelas ruas da capital, ela lança um instigante desafio. Diz o seguinte: “Veja além do seu celular. Aqui fora tudo é real”. O caro leitor talvez possa ver um dos outdoors caso saia à rua e, no caminho, tire os olhos do celular para apreciar a paisagem. Se fizer isso, a campanha terá alcançado seu objetivo.

OUT OF HOME

Como se trata de peça publicitária bancada por um grupo que lucra com a propaganda “Out Of Home” (OOH) ou fora de casa, há sempre um dedo de suspeita. A saída então é visitar o site. Sim, por mais paradoxo que seja, o cartaz oferece um endereço de homepage e, se você o visitar, atraído por aquela curiosidade que deveria instigar todo internauta egresso da vida real, descobrirá números que explicam em parte por que Fox Mulder (o herói de “Arquivo X”) acreditava que as agências do governo estavam sempre prontas a esconder verdades que estavam lá fora. (The truth is out there).

SUBLIMINARES

Eis os dados: 54% das propagandas exibidas online não são visíveis, o que significa que são subliminares. Você é induzido a ver a mensagem sem que realmente queira fazer isso; 61,5% das propagandas visíveis foram, na verdade, visualizadas por não-humanos, ou seja, robôs; somente 8% de todas as propagandas exibidas são vistas por uma pessoa real.

CIDADÃO DO SÉCULO XVII

Parece um mundo despótico. E, de certa maneira, é. Afinal, guardadas as devidas proporções, a informação que transborda da internet, e também a que não transborda, é tão desanimadora em termos qualitativos quanto era, há 300 anos, para o cidadão do século XVII. Ao longo de sua vida, dedicada a trabalhar, a comer e a copular, toda a sabedoria acumulada por ele correspondia ao conteúdo de uma única edição de jornal.

EU, ROBÔ

O site se dispõe então a fazer um teste ao estilo “Prove que você não é um robô”. Pergunta se, nos últimos 30 dias, o leitor fez coisas como segurar um bebê, assistir uma partida de futebol ao vivo, criar um hashtag, visualizar o celular durante uma reunião de família, retuitar um tweet.

ADMIRÁVEL MUNDO NOVO

O objetivo é claro. Fazer com que a pessoa saia de casa e, se estiver ao seu alcance, dar uma espiada em um outdoor. Mas não é só isso. Há mesmo uma compulsão pelas redes sociais e pela internet. Matérias de jornais estampam reuniões de jovens em lanchonetes em que eles, mesmerizados, trocam a conversa animada por visualizações no celular. Estão juntos, mas estão sozinhos. Espera-se que seja uma fase, que em breve tudo isso mude, e não vejamos, na vida real, o que se vê apenas em séries como “Black Mirror”, que trata justamente de um futuro próximo em que avaliações de restaurantes serão destinadas às pessoas. As notas de cada uma determinarão a casta social a que ela pertencerá: alfa ou ípsilon.

Aldous Huxley previa algo parecido em seu “Admirável Mundo Novo”.

ELIXIR DE REALIDADE

O site caianareal.org, eis o seu endereço, propõe um elixir de realidade, a ser administrado com parcimônia dependendo dó grau de dependência virtual de cada um. “Coma um pedaço de bolo com as mãos”, “Equilibre-se na guia de uma rua por um quarteirão”. Vá tomar um “chopes” e comer “dois pastel”. Ou leia um livro de capa a capa. Ah, não esqueça o miolo.