CURITIBA EXPANDIDA” MIRA BARRACÕES INDUSTRIAIS NÃO POLUENTES

Francisco Simeão Neto e Luiz Bonacin

Francisco Simeão Neto e Luiz Bonacin

O Leste de Curitiba dá claros sinais de expansão, e de que se encaminha para gerar uma “Curitiba expandida”, como observou a esta coluna um urbanista, ao analisar:

– O empreendimento de Joel Malucelli, que vai erguer condomínio para mil casas, na área que foi da antiga fazenda de Rui Gândara, defronte à Renault, é um dos exemplos. Lá deverá nascer a já informalmente chamada “Cidade Nova”, em 2,2 milhões de m2. O terreno está na jurisdição de Piraquara.

O olhar atento desse urbanista, peça importante nas engrenagens de planejamento do IPPUC – e, por isso, tendo muita autoridade -, vai adiante em suas observações sobre a “Curitiba expandida”. Assim, observa ainda:

– Não se pode esquecer que outro empresário e empreendedor de grande porte Francisco Simeão Neto (com seu sócio, Luiz Bonacin), dono de pelo menos 3 milhões de metros quadrados de área que foi de um antigo haras de Mathias MachLine, na Planta Suburbana, em Piraquara, tem também projeto de condomínio industrial para aquela região. Serão barracões de indústrias não poluentes, no que ele e seu sócio são especialistas.

A grande vantagem para a implantação desse condomínio industrial é a facilidade de acesso que as empresas terão ao Contorno Leste e à BR-116.

O acesso se daria pela ligação da Planta Suburbana da Rodovia Antonio Alceu Zielonka, com a Quatro Barras-Contorno Leste.

Por “realidades” nem sempre bem compreendidas do Brasil, os organismo públicos de defesa ambiental vetaram o projeto, que se arrasta, no entanto, na justiça.

AEROPORTO ALTERNATIVO

A primeira ideia de Simeão Neto foi transformar a área do antigo haras num aeroporto alternativo ao do Bacacheri, pretensão barrada na justiça sob mil e um argumentos do Ministério Público.

Os primeiros passos, no entanto, foram dados e lá podem ser vistas as pistas de pouso e decolagem, com 1.700 metros cada, e serviços de terraplenagem, além de três entradas via trincheiras.

O projeto atual, o dos barracões, agora dependente de eventual alteração do plano diretor de Piraquara, não significará – tudo indica – qualquer dano ao meio ambiente.

Mas também está na dependência de decisões do poder público.

Enquanto isso, à espera de novas decisões, Simeão dá bom exemplo de sua inquieta alma empreendedora: na maior parte da área, a terra está toda cultivada com produtos agrícolas.

Foto feita por Hélio Martins de Freitas dá ideia da dimensão do projeto do cancelado aeroporto.

Foto feita por Hélio Martins de Freitas dá ideia da dimensão do projeto do cancelado aeroporto.